Como usar o 5 Porques idealizado por Taiichi Ohno no Kaizen da Toyota

Como usar o 5 Porques idealizado por Taiichi Ohno no Kaizen da Toyota

Como usar o 5 Porques

Devido a pedidos de leitores, vou falar aqui sobre como usar o 5 Porques.

Darei um exemplo de problema que ocorreu numa empresa fictícia, abaixo.

Vocês sabem que quem criou o 5 Porques foi Taiichi Ohno, ex-vice presidente da Toyota Motor Co.

Vejam quem foi Taiichi Ohno no artigo “História da Toyota e seu Sistema Toyota de Produção

Neste artigo falamos mais um pouco sobre como usar o 5 Porques.

E uma das premissas do método é que na análise deve ser evitado que sejam feitas PRESSUPOSIÇÕES.

Ohno disse que a analise deve ser baseada em FATOS!

Um outro erro que ocorre muito é que em vez de se levantar as causas, são colocados os problemas ocorridos.

Uma dica para evitar isso e que eu uso muito inclusive quando explico as outras pessoas.

Causa não tem movimento, não tem ação!

Se o texto da causa denotar ação, não é causa!

Por exemplo:



A maquina parou!

Se dissermos que a causa foi: o operador apertou o botão errado – existe uma ação aqui.

Então não é uma causa!

Mas se dissermos que o botão não estava identificado – não existe movimento aqui.

Pode ser uma provável causa e nem é pressuposição, pois viu se que o botão estava sem identificação, é uma evidencia observada.


Vejam outros artigos sobre 5 Porques, cliquem abaixo para acessar:

“Objetivo dos 5 Porques é buscar a causa real”

“O Princípio dos 3 Gen no 5 porque da Toyota”

“Objetivo dos 5 Porques é buscar a causa real”


Exemplo de analise 5 Porques

Vejamos um exemplo, um problema ocorrido na empresa fictícia.

Como usar o 5 Porques idealizado por Taiichi Ohno no Kaizen da ToyotaDigamos que seja uma indústria, então existem muitos refugos.

Peguemos um determinado tipo de refugo e há uma reunião dos envolvidos

É iniciada a análise.

Analise

Bom, sabemos que é iniciado com um Brainstorming!

Brainstorming

Veja artigo sobre como fazer um Brainstorming, clique abaixo

Como fazer Brainstorming para ter sucesso no Kaizen

Foram levantados vários problemas que podem ter ocorrido.

E chegaram à conclusão que a três abaixo são as mais prováveis:

  • Maquina instável
  • Erro de medição
  • Leitura errada do desenho

Ai a turma vai ao local do ocorrido.

Lembram-se que Taiici Ohno disse que numa analise deve-se ir ao GEMBA!

GEMBA é o local onde ocorreu o problema.

GEMBA e os 3 GEN

Gemba faz parte do Princípio dos 3 GEN da Toyota.

Vejam o artigo “O Princípio dos 3 Gen no 5 porque da Toyota”, clique para acessar.

Os 4M do Diagrama de Ishikawa

Chegam lá  e fazem a verificação baseada nos 4M (Maquina, Mão de Obra, Método, Matéria Prima)como usar o 5 porques - 4M Machine Method Man Material

  • Verificam a máquina
  • Entrevistam os operadores
  • Verificam a documentação
  • Verificam o produto

Chegam a conclusão que o que causou o refugo foi “Erro de medição do operador”.

Mas o que causou o “Erro de medição”?

  • Operador mal treinado em medição?
  • Equipamento de medição fora de calibração?
  • Operador acompanhou o Plano de medição?

Ao conversar e verificar a habilidade de medição do operador, viram que este não estava adequadamente habilitado.

Então o operador estava mal treinado em medição!

Normalmente o que se faz aqui e a maioria faz é retreinar o operador.

A solução imediata e mais fácil! E está resolvido? Errado!

O problema volta a ocorrer.

Isso é um erro corriqueiro.

O correto é fazer os passos seguintes.

Qual o setor responsável pelo controle dos treinamentos?

O RH (Recursos Humanos)

Foram então ao RH.

Chamaram o responsável pelos treinamentos e iniciaram uma entrevista.

E iniciaram a análise de 5 Porques juntamente com este.

Vieram as perguntas e as respostas.

O coordenador do 5 Porques anota tudo.

Os 5 Porques

O problema é “Operador mal treinado em medição”, iniciam dai.

1º Porque – Porque ele foi maltreinado?

1ª. Resposta: Este treinamento específico não constava de seu Plano de treinamento!

2º Porque – Por que este treinamento não constava do Plano?

2ª resposta: Seu Plano não estava atualizado!

3º Porque – Porque não estava atualizado?

3ª resposta: O responsável só atualizava quando comunicado, e não verificava periodicamente o Plano.

4º Porque – Porque não era verificada periodicamente?

4ª resposta: Não era rotina e só fazia quando lembrava

5º Porque – Por que não era rotina?

5ª resposta: Rotina não estava documentada.

Mas que tipo de documentação seria necessário?

Um procedimento determinando a rotina quem, o que, como, onde e quando fazer.

E um Check List para controlas o monitoramento periódico do Plano.

Causa real: Rotina de monitoramento do Plano de treinamento não documentada.

Ação corretiva:

Elaborar um procedimento da rotina de monitoramento do Plano: quem, o que, como, onde e quando fazer.

Elaborar um Check List de controle de monitoramento.

Abrangencia

O que muitas vezes se esquece, é verifica a abrangência da não conformidade.

Tem que se perguntar:

  • Não pode ocorrer em outro local?
  • Não vai ocorrer com outro operador?

A análise da abrangência é de suma importância.

Conclusão

Passei um exemplo simples, para mostrar de modo claro de como usar o 5 Porques.

Mas a analise e a ação tomada foi fundo no problema.

Pois se só tivessem retreinado o operador, o problema voltaria a ocorrer.

Este artigo teve como base o artigo japones “O que é 5 Porque” , clique abaixo para acessar:

なぜなぜ分析とは

Espero ter ajudado, mais duvidas ou caso queiram fazer um comentário favor colocar no campo de comentário abaixo.